Entrevista com o CEO da Honor, que diz que “A juventude é o espírito da nossa marca”

Entrevista com o CEO da Honor, que diz que “A juventude é o espírito da nossa marca”

Nota: O seguinte artigo irá ajudá-lo com: Entrevista com o CEO da Honor, que diz que “A juventude é o espírito da nossa marca”

Do Honor 6 ao Honor 9: uma evolução óbvia

Em 2014, a Honor apresentou o Honor 6. Se no passado o nome Honor estava de alguma forma associado a uma conotação negativa, as coisas mudaram bastante para a marca, pois agora ela pode se destacar ao lado da LG, Samsung, Apple e obviamente Huawei.

Você pode dizer que o Honor 9 herdou alguns genes de seu amado antecessor, o Honor 8, mas também apresenta algumas inovações visíveis, como o corpo de vidro curvo 3D, o scanner de impressão digital no painel frontal e a cor Glacier Grey, que se une a um renovado Variante azul safira.

Para criar um smartphone como o Honor 9, a Honor também teve que contar com outros parceiros, incluindo Monster e Huawei

Como George Zhao disse em nossa entrevista, o Honor 9 busca atrair um público mais jovem com seu novo visual, mas também espera atraí-los com uma câmera dupla otimizada com zoom de 2x e um sistema de som aprimorado por meio de uma colaboração com a Monster. O preço de US$ 495 torna este smartphone ainda mais interessante aos olhos da geração mais jovem e daqueles que são jovens de ouvido porque, conforme especificado por Zhao no evento de lançamento do novo dispositivo, a marca também atende a ambos.

Atender às necessidades dos usuários é o objetivo da Honor. Um aspecto que os usuários pediram é a melhor experiência multimídia – então, para conseguir isso, Honor escolheu trabalhar com Rezo, um músico alemão e YouTuber que usou o Honor 6 para filmar seus vídeos. Para criar um smartphone como o Honor 9 e, portanto, satisfazer os usuários envolvidos em produção musical, fotos e experiência de vídeo e jogos, a Honor também teve que contar com outros parceiros, incluindo Monster e Huawei. E esses dois nomes envolvidos deixam tudo claro…

A relação entre Huawei e Honor

Vários componentes de hardware do Honor 9 vêm diretamente do Huawei P10, que foi lançado no MWC em Barcelona em 2017. Se você observar as especificações técnicas dos dois dispositivos, o processador, memória RAM interna, bateria e câmera são os mesmos. A Honor, por esse motivo, entrou no mercado de smartphones sob a alçada da Huawei, mas concentrou-se na venda online. E na China, como apontou George Zhao, a Honor está agora à frente da Huawei nas vendas online.

A Honor também começou a vender seus produtos em lojas físicas e gerencia e toma decisões de forma independente sobre a produção e as tecnologias que serão utilizadas em seus produtos. No entanto, para algumas tecnologias, ainda deve contar com a equipe interna da Huawei. Pelo que disse George Zhao, parece que a Honor quer se afastar cada vez mais de sua empresa-mãe, Huawei, para construir sua identidade, mas sem renunciar à contribuição da Huawei na fase de produção de seus smartphones.

Uma estratégia que lembra a da Apple?

Pode parecer uma afirmação arriscada, e talvez seja. Mas há alguns elementos que nos levaram a dar esse salto. Para o lançamento do Honor 9, a marca chinesa disponibilizou o link para acompanhar o evento de transmissão ao vivo. Este foi um movimento que foi tirado da Apple e seus produtos, que agora também foi adotado por outras marcas, incluindo OnePlus.

A parceria da Honor com a Monster na indústria de áudio não te lembra Apple e Beats? O homem que é CEO da Monster Inc, Noel Lee, apontou a compra da Beats Electronics pela Apple em 2014 por US$ 3 bilhões. Se as colaborações com Monster e Beats, que são duas marcas conhecidas entre os jovens e os amantes da música, podem melhorar as ofertas de som desses smartphones e capturar a atenção dos usuários jovens, ainda não se sabe. Mesmo o público-alvo das duas marcas não é tão diferente quanto pode parecer à primeira vista.

AndroidPIT Honor 9 0813

Em maio, a Huawei apresentou a nova linha MateBook (X, E e D) em Berlim, Alemanha. O dispositivo veio equipado com o Windows 10. Durante anos, as séries Air e MacBook Pro da Apple foram os marcos nesse campo, mas agora a Huawei, com a Microsoft ao seu lado, pode se tornar uma nova ameaça para a Apple. A marca chinesa se inspirou em sua rival e agora, além de seus produtos para smartphones, tentará adicionar dispositivos ao seu portfólio para ampliar seu ecossistema.

Huawei não é Honor, mas, como mencionado acima, os dois trabalham juntos e se você der um passo para trás e olhar para o quadro geral, a estratégia geral de longo prazo parece ser semelhante à da Apple, um modelo do qual muitos são inspirado.

O que Honor está planejando para o futuro?

Pedimos a George Zhao alguns detalhes sobre a estratégia de longo prazo da Honor. Em termos de inteligência artificial, o Honor Magic foi o primeiro smartphone a implementar a tecnologia de inteligência artificial. Este conceito permitiu à marca experimentar um novo modelo de negócio, mas para torná-lo eficaz em algum nível, ela deve trabalhar com outros parceiros que estão presentes no setor. Zhao não confirmou a chegada de um Honor Magic 2, mas a marca parece aberta à colaboração para trabalhar em IA.

Europa, Rússia, Índia, Japão, Estados Unidos e alguns países do Oriente Médio são os mercados onde a marca prefere se concentrar no momento

No tópico dos smartphones, a Honor continuará trabalhando em seus produtos de sucesso e George Zhao confirmou a chegada do Honor 9 Pro no próximo ano. Embora os smartphones não sejam os únicos dispositivos em que a marca está focando (o lançamento da Honor Band 3 e os fones dedicados ao esporte, por exemplo), a casa inteligente não é prioridade para a Honor. O espírito de Honra é o jovem de coração e somente se eles exigirem esse tipo de aparelho, a marca tentará atender às suas demandas mas, por enquanto, TVs e produtos similares não fazem parte dos planos de Zhao e sua equipe.

Os mercados nos quais a Honor decidiu mergulhar por enquanto não incluem a América Latina. Europa, Rússia, Índia, Japão, Estados Unidos e alguns países do Oriente Médio são os mercados onde a marca prefere se concentrar por enquanto, para garantir um bom atendimento aos seus usuários.

É apenas o começo para o Honor 9

A Honor, através do Honor 9, quis marcar presença no mercado. Tal como LG, Samsung, Apple e Huawei, a Honor está a jogar no terreno e está sempre a tentar definir melhor a sua identidade. Para isso, otimizou o design e os recursos de seu smartphone com a ajuda de quem tem mais tecnologia e experiência no setor do que a própria Honor.

O Honor 9 será um sucesso e acho que continuará a focar não em si mesmo, mas sim em seus usuários, ouvindo-os e aproveitando as tecnologias disponíveis sem olhar muito para a Apple e a Samsung.