Google ainda é uma startup quando se trata de hardware

Google ainda é uma startup quando se trata de hardware

Nota: O seguinte artigo irá ajudá-lo com: Google ainda é uma startup quando se trata de hardware

O Google é uma subsidiária da empresa Alphabet, fundada em outubro de 2015. Inclui outros negócios como Calico, DeepMind, X, Google Fiber e Next Labs. Dito isto, este artigo não vai falar sobre o Projeto Loon ou as câmeras de segurança, termostatos ou alarmes de fumaça da Nest, mas sobre os produtos do Google.

De acordo com a Wikipedia, por definição, o Google é uma empresa de software e hardware:

O site oficial da empresa mostra claramente que isso é verdade com sua lista de produtos. Em algum lugar entre o Google Allo e o Duo, Google Fotos, Maps, Chrome e o aplicativo do Google, há a seção dedicada aos dispositivos do Google: Pixel, Home, Daydream View e Wifi. Então, sim, o Google também é uma empresa de hardware.

No entanto, considerando o investimento da equipe do Google em software e soluções web, a ênfase dos negócios da empresa em marketing e seu mecanismo de busca, concedendo o título de ’empresa de hardware’ ao Google ainda é um exagero. Por um bom tempo, a gigante dos buscadores ficou em segundo plano atrás de empresas como Samsung, HTC, LG e Huawei em várias parcerias para coisas como a construção de smartphones Nexus ou Chromebooks.

No entanto, com o anúncio do smartphone Pixel no ano passado, designado pelos executivos da empresa como “o primeiro smartphone construído pelo Google”, as coisas começaram a clarear um pouco. No entanto, ainda faltam alguns capítulos até chegarmos à conclusão de que o Google realmente é uma empresa de hardware.

A compra e venda da Motorola

Em 2012, o Google comprou a Motorola Mobility por US$ 12,5 bilhões. Grandes expectativas se seguiram a essa compra, pois naquela época o Google não estava comprando apenas um negócio, estava comprando uma divisão capaz de fabricar dispositivos.

No entanto, em 2014, anunciou a venda da divisão de telefonia móvel da Motorola para a Lenovo. O negócio foi de cerca de US$ 3 bilhões. Essa venda confirmou que as intenções do Google não estavam focadas em fabricar seus próprios dispositivos, mas sim em adquirir as patentes da Motorola.

Com a compra da Motorola, o Google passou a deter mais de 17 mil patentes que a empresa possuía. Destes, apenas cerca de 2 mil estavam no negócio da Lenovo. Vale lembrar, naquela época, a intenção era fortalecer o sistema operacional do Android e também não ter problemas com processadores e outras questões legais ao usar determinadas tecnologias.

A chegada do Chromecast

Em 2010, o Google firmou parceria com grandes fabricantes de smartphones já existentes no mercado, e eles desenvolveram o Nexus Open e, com ele, estabeleceu sua própria linha de smartphones rodando a versão mais pura de seu sistema operacional, o Android. No entanto, foi com o anúncio do Chromecast que vimos pela primeira vez a gigante dos motores de busca assinar, distribuir e vender o seu próprio produto: Chromecast by Google.

androidpit Chromecast 2015 5

Deveríamos ter visto o sucesso do Chromecast vindo de muito longe. No final, o Google lançou no mercado um aparelho muito barato (comparado a qualquer outra Smart TV), que funcionava como um pen drive e permitia aos usuários trocar qualquer TV com porta HDMI em uma TV conectada.

Com o que inicialmente se chamava Google TV e depois mudou para Android TV, vimos a primeira parceria com um fabricante como a Sony, que fabricou o hardware e assinou o projeto. Com o Chromecast, passamos a ter mais do que apenas o nome do Google em um dispositivo. O projeto, a criação, a distribuição e a logística de marketing foram todos feitos pela empresa.

A chegada do Pixel e da divisão de hardware

A série Pixel tomou o lugar do Nexus em 2016. O Google também criou uma divisão de hardware liderada por um de seus velhos conhecidos, Rick Osterloh, ex-CEO da Motorola em uma época em que ainda estava sob o guarda-chuva do Google.

Apesar de duas mãos diferentes terem feito o Google Pixel e o Pixel XL (leia-se: parceria com a HTC), o único logotipo impresso no aparelho é o “G” do Google. Como eu disse antes, durante a apresentação oficial, o Pixel foi chamado de “o primeiro smartphone construído pelo Google”.

Está bem claro agora que a gigante dos mecanismos de busca pode ser considerada uma empresa de hardware. Dessa forma, eles são como a Apple, que desenvolve seu próprio software e projeta o hardware para seu iPhone. No entanto, eles têm algumas parcerias com outras empresas, como a Foxconn. O Google realmente não é diferente, mas em uma escala menor. A Apple controla de perto a fabricação de sua CPU, enquanto o Google usa um processador Qualcomm em seus dispositivos.

Essa distância fica ainda maior se colocarmos o Google contra fabricantes como Samsung e Huawei. Comparado a essas duas empresas, o Google pode ser considerado uma startup quando se trata de hardware (levando em consideração apenas o desenvolvimento de dispositivos do Google e não a construção de servidores).

O Google está investindo em hardware?

Não há dúvida de que os produtos do Google estão integrados ao nosso dia-a-dia. Seja e-mail, pesquisa, localização ou navegação, o sistema operacional é o que dá vida ao seu smartphone e TV. A frase “Google it” já é sinônimo de ‘to look up’. O que ainda estamos nos acostumando é o fato de que o Google também é uma empresa de hardware. Ainda pode ficar um pouco invisível, especialmente em lugares onde dispositivos como Pixel, Home e Wifi não estão disponíveis.

Olhando para 2012, Patrick Pichette, CFO do Google na época, confirmou que a empresa era provavelmente uma das maiores empresas de hardware do mundo. De acordo com uma entrevista à Wired, Pichette disse que “há um pouco de mitologia de que o Google não sabe nada sobre hardware”, mas a empresa era um dos maiores players nesse setor.

Sim, a gigante da internet conhece hardware e sabe muito bem disso. Com investimentos em setores como Inteligência Artificial (IA), Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR), cada vez mais plataformas estão começando a usar a internet de diferentes formas. Como a estratégia de negócios do Google é baseada na Internet, é inevitável que a empresa comece a fincar raízes na construção dos chamados “dispositivos Google”.

Para divulgar o Google Assistant (AI), os engenheiros desenvolveram o Google Home. Para padronizar a realidade virtual, eles nos deram um headset “democrático”, o Daydream View. Para otimizar a experiência nesses serviços dependentes da internet, temos o Google Wifi. Para Android em sua forma mais pura, Google Pixel.

Acho que agora está bem claro que investir em hardware está na agenda do Google. No entanto, a grande questão agora é resolver seus problemas de distribuição. Os smartphones Pixel estão disponíveis apenas em alguns países. A mesma coisa também aconteceu com o Google Home, Daydream View e Google Wifi.

No entanto, não se deixe enganar pela incompetência logística ou pelo (des)interesse em competir abertamente com seus parceiros. O Google é uma empresa de hardware. Ele ainda está em sua fase de inicialização.