Nokia, Motorola, Blackberry: qual gigante entrará em colapso?

Nokia, Motorola, Blackberry: qual gigante entrará em colapso?

Nota: O seguinte artigo irá ajudá-lo com: Nokia, Motorola, Blackberry: qual gigante entrará em colapso?

Considerado o maior símbolo dos smartphones na era pré-iPhone, os aparelhos Blackberry eram famosos por seus teclados QWERTY, ótimo cliente de e-mail e pela segurança de seus servidores, que eram considerados quase impenetráveis. Tanto assim, eles também foram dominantes no mundo corporativo, sendo usados ​​por potências políticas como Barack Obama e Angela Merkel entre muitos outros.

Apesar de tudo isso, a Blackberry (anteriormente conhecida como Research in Motion Limited ou RIM), cometeu pecados capitais que afundariam qualquer empresa: desdenhar da chegada do iPhone e logo depois, do Android e também se recusar a evoluir seu design e recursos . Ao longo dos anos, começou a estagnar enquanto seus rivais davam grandes mordidas no crescente mercado.

Diante de tudo isso, o Blackberry foi cada vez mais relegado à irrelevância, até que chegou a deter menos de 1% do mercado mundial. As perdas se somaram ano após ano. Finalmente culminou com a retirada da empresa de fabricar smartphones e se dedicar à venda de software e serviços.

Em comunicado oficial, John Chen, o atual CEO, disse que “o novo plano da Blackberry, Mobility Solutions, está mostrando sinais de impulso (…) no escopo do plano, estamos nos concentrando apenas no desenvolvimento de software, incluindo segurança e aplicativos . A empresa planeja acabar com todo o desenvolvimento de hardware interno e terceirizar essa função para parceiros (especificamente para BB Merah Putih na Indonésia)”.

Nokia, Motorola e Blackberry estão todos fora. Quem será o próximo?

Dominantes na primeira metade dos anos 90 e em grande parte da última década, Nokia, Motorola e Blackberry são agora uma sombra de seus antigos eus. Enquanto a Nokia está planejando seu retorno ao mercado, a Motorola é apenas uma marca (ainda popular) controlada pela Lenovo. Blackberry… bem, seu objetivo é sobreviver.

Nokia C12

Agora, a pergunta que os profissionais do mercado de telefonia móvel estão se fazendo – incluindo analistas, repórteres etc – é: Quem será o próximo fabricante de smartphones a abandonar o navio?

Quem lidera as pesquisas, no momento, é a HTC. Nos últimos anos, trimestre após trimestre, a fabricante taiwanesa tem reportado sucessivas perdas. Nos primeiros meses de 2016, o volume de vendas da empresa caiu 64% em relação a 2015. O ano passado também não foi muito bom: as vendas caíram 35% em relação ao mesmo período de 2014.

O curioso é que, ao contrário da Nokia, Blackberry e Motorola, a HTC não parou de produzir e tentou continuar evoluindo. O problema é que a empresa é vítima de ter muito medo de sair de sua “zona de conforto” (basicamente a mesma coisa que está acontecendo com a Sony), lançando smartphones que foram “praticamente iguais” ao longo dos últimos dois anos. Ou seja, bons aparelhos, que não necessariamente seriam chamados de baratos, mas que não trazem novidades que possam ser um fator decisivo para o consumidor comprar um.

AndroidPIT HTC 10 Hands on 5043

Enquanto isso, os fabricantes chineses descobriram o segredo de produzir smartphones bons e baratos. Marcas estabelecidas como Samsung, Lenovo e LG foram inovadoras, enquanto a Apple ganhou popularidade na Ásia nos últimos dois anos. O resultado: a HTC foi engolida em todos os países em que opera.

Mesmo assim, a HTC planeja resistir, pelo menos de acordo com seu CEO Cher Wang. No final de 2015, ele afirmou que a fabricante não desapareceria do mercado. Eles têm investido em outros smartphones e produtos como smartbands e Vive, os óculos de realidade virtual da marca.

Só que talvez, Wang não esteja ciente de seus números de 2016. Então…

HTC’s destinados a cair nas mãos de uma empresa que começa com a letra G

Rumores de mercado dizem que o Google poderia comprar a HTC e finalmente lançar seu projeto de produzir smartphones 100% do Google. Eles viriam completos com seu próprio DNA, tanto em hardware quanto em software. O primeiro passo que eles deram nessa direção é sua nova linha de telefones, Pixel, que será lançada em 4 de outubro.

Os dispositivos em questão, Pixel e Pixel XL, serão fabricados pela HTC, mas seu logotipo não será incluído nele como no Nexus e no tablet Nexus 9. Há quem diga que, por ter que remover seu logotipo, a HTC está desistindo grande parte dos benefícios alcançados pela venda dos dois modelos. Considerando que o negócio precisa de dinheiro para se manter competitivo, esse boato é muito provável que seja verdade.

Portanto, se o Pixel conseguir atrair o público e as vendas da HTC não melhorarem, é razoável acreditar que o Google poderia estar preparado para comprar a fabricante taiwanesa para dar alguma continuidade à sua divisão de smartphones. É um negócio com o qual a Big G está mais do que familiarizada e cuja compra resultaria em muito menos cara do que a aquisição da Motorola em 2011 por US$ 11,5 milhões (e revendida por um quarto do preço para a Lenovo em 2014).

Faça suas apostas: você acha que a HTC será o próximo fabricante a abandonar o navio ou você acha que existem outras empresas por aí que poderiam substituí-lo?