O que é oferecido pelos principais players

O que é oferecido pelos principais players

Nota: O seguinte artigo irá ajudá-lo com: O que é oferecido pelos principais players

Com cada vez mais pessoas preocupadas com sua privacidade online, os serviços VPN estão se tornando cada vez mais populares. Com tantas opções disponíveis no mercado, como escolher a melhor empresa do lote? Confira como você pode encontrar a melhor opção com base em suas necessidades no guia abaixo.

Noções básicas de VPN

Em termos gerais, uma VPN é um sistema que redireciona dados de uma rede (geralmente a Internet aberta, mas também pode ser uma rede interna da empresa) para outra, e é gerenciada pelo provedor de VPN.

A transmissão de dados por uma VPN geralmente é criptografada, pois protege solicitações, arquivos e páginas acessadas não apenas de terceiros, mas até mesmo do próprio provedor de acesso. Um exemplo comum seria a empresa de telecomunicações que oferece conectividade com a Internet. Esse recurso é útil em situações selecionadas, como quando você está conectado a redes Wi-Fi que não exigem senha, nas quais os dados entre o dispositivo e o roteador podem ser interceptados por partes mal-intencionadas.

As VPNs também podem ser utilizadas para contornar sistemas de censura de governos, totalitários ou não, ou mesmo recursos com restrição geográfica, como os aplicados por provedores de conteúdo na forma de serviços de streaming. Nesse ponto, vale lembrar que a maioria das empresas de streaming de vídeo proíbem o uso de tais recursos para contornar limitações geográficas, e estão constantemente bloqueando endereços utilizados para esse fim.

Pontos importantes a serem considerados ao assinar uma VPN

Apontar um determinado serviço VPN não é uma tarefa simples, pois é praticamente impossível fazer uma sugestão universal para todos os tipos de usuários. Assim, destacamos alguns pontos para você refletir ao assinar um plano:

Sede da empresa

Pode parecer estranho, mas a localização da empresa pode ser importante dependendo da importância dada à privacidade dos seus dados e da utilização do serviço.

Algumas empresas fazem questão de destacar que não estão sediadas – e, portanto, permanecem fora da jurisdição de um dos países dos chamados cinco olhos/nove olhos/14 olhos, alianças de países para a cooperação de sua inteligência Serviços.

  • Cinco Olhos: Austrália, Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia e Reino Unido.
  • Nine Eyes: Five Eyes + Dinamarca, França, Noruega e Holanda.
  • Quatorze Olhos: Nove Olhos + Alemanha, Bélgica, Espanha, Itália e Suécia.

O motivo seria o risco de que, em um desses países, o governo tenha o poder de exigir o compartilhamento de dados armazenados pelo serviço, e esses dados possam ser compartilhados com um dos outros países da(s) aliança(s). E isso já gerou polêmica até com empresas que anunciavam como não guardam registros de uso (logs) de seus clientes.

Claro, se o seu objetivo ao se inscrever em um serviço de VPN é apenas assistir a programação britânica da BBC ou partidas do campeonato de futebol argentino, não há muito com o que se preocupar.

Botão de desligar

Muitas pessoas usam VPNs para contornar sistemas de controle de protocolo – – e podem enfrentar multas e ações judiciais se o uso não autorizado da conexão for detectado. Nesse caso, alguns serviços de VPN oferecem um recurso de desconexão, também conhecido como kill switch, que não libera a operação de conexão após ser interrompida e, em alguns casos, até fecha as páginas abertas.

Tunelamento dividido

Como o tráfego da VPN passa por um servidor intermediário que geralmente está localizado em outro país, o desempenho da conexão é naturalmente menor do que sem a VPN. Isso é especialmente perceptível em casos de uso que exigem tempos de resposta baixos, como jogos.

O tunelamento dividido é um recurso que permite separar o tráfego da Internet para que alguns aplicativos e serviços não usem a VPN, melhorando potencialmente o throughput e a latência, ou em uma situação hipotética, comparando os catálogos de um serviço de streaming usando dois navegadores diferentes.

Limite de aplicativos e dispositivos

Smartphones, laptops, smart TVs, tablets…antes de assinar uma VPN, vale a pena conferir quais serviços oferecem apps para seus dispositivos. As principais empresas de VPN geralmente têm aplicativos para Android, iOS/iPadOS, Windows e macOS e extensões para navegadores de desktop, alguns até oferecem aplicativos para smart TVs.

A disponibilidade de tais aplicativos ajuda a simplificar o processo de configuração da conexão. Por outro lado, usuários mais avançados podem considerar configurar VPN em roteadores compatíveis usando o protocolo OpenVPN. Essa opção pode ser usada, por exemplo, para usar a VPN mesmo em consoles de jogos (para contornar restrições de catálogo ou até encontrar preços diferentes).

Já o limite de dispositivos pode ser importante caso a VPN seja compartilhada com vários dispositivos de amigos em casa. O número leva em consideração quantos smartphones, laptops, tablets e outros dispositivos usam a conta simultaneamente, por isso é altamente recomendável ter uma boa noção de quais dispositivos precisam usar a VPN ao mesmo tempo.

Conclusão: cada situação é única

Assinar uma VPN não é uma decisão fácil, pois diferentes prioridades tendem a mudar completamente a decisão final sobre qual serviço eu assino. Quero apenas proteger meu acesso móvel em redes públicas? Estou viajando para um país com um histórico notório de vigilância e censura? Preciso contornar as restrições geográficas nos serviços?

Por isso mesmo, e principalmente por envolver casos de uso delicados, não é possível sugerir uma única opção. Por isso, vale a pena pesar os pontos levantados e descobrir qual das opções acima no mercado é capaz de atender melhor às suas necessidades.