Xiaomi: este pequeno gigante está aqui para acabar com a concorrência

Xiaomi: este pequeno gigante está aqui para acabar com a concorrência

Nota: O seguinte artigo irá ajudá-lo com: Xiaomi: este pequeno gigante está aqui para acabar com a concorrência

Um sucesso inicial

Vamos tirar essas coisas do caminho rapidamente. A Xiaomi foi fundada em abril de 2010 como fabricante de smartphones. Hoje, e após o seu IPO em 9 de julho de 2018, a Xiaomi está consolidada como uma corporação tecnológica de enormes proporções. Por uma boa razão, a Xiaomi se tornou a quarta maior marca de smartphones do mundo (depois de Samsung, Apple e Huawei), com um crescimento anual de 87,8% em participação de mercado, segundo dados da IDC.

Durante esse período, a Xiaomi se tornou a maior plataforma IoT (Internet das Coisas) do mundo, com mais de 100 milhões de dispositivos inteligentes (excluindo smartphones e laptops) conectados a ela. Hoje, os produtos Xiaomi estão presentes em mais de 70 países e regiões ao redor do mundo. De acordo com dados da IDC, a Xiaomi está no top 5 em 15 destes mercados.

No que diz respeito à filosofia da empresa, e nas palavras de um porta-voz da Xiaomi: Isso é um pouco…

Oferece tudo, para todos (a preço de banana)

A Xiaomi não vive apenas de smartphones. E embora seja verdade que os smartphones são sua principal fonte de receita (eles representam 70% segundo os números de julho deste ano), o restante dos aparelhos e acessórios que fabrica e vende também traz lucros significativos. Faz alto-falantes, dispositivos domésticos inteligentes, TVs inteligentes, smartwatches, tablets, fones de ouvido, headsets de realidade virtual, laptops, drones, câmeras de vigilância, tênis, escovas de dentes eletrônicas, mouses de computador e até canetas e malas. Sim, podemos não precisar de alguns desses itens, mas a Xiaomi é como aquela loja de bairro que tem tudo para todos os gostos e para todos os bolsos.

Esta é uma fórmula rara para uma empresa, algo que até o próprio Lei Jun reconheceu uma vez ou outra, mas o fato é que funciona. A diversificação de seus produtos não está lhe dando dores de cabeça e borrando o modelo de negócios, está tornando a empresa cada vez mais forte no mercado.

Sapatos inteligentes AndroidPIT xiaomi 4294

Vamos voltar ao tema dos preços. Quem oferece um smartphone por menos de 200 dólares? Sim está certo. Você pode importar o Redmi 6 e 6A por cerca de 150 dólares, o que é muito bom para um telefone básico se você estiver interessado apenas em tirar algumas fotos (com uma câmera dupla de 12 MP), conversar com o WhatsApp e fazer ligações. Se você não pode pagar mais, por que não? É uma boa solução para os primeiros telefones de adolescentes, ou talvez de uma pessoa idosa que não exija muito desempenho. E assim como oferece todos os tipos de produtos, seus smartphones atendem a todos os tipos de necessidades. Não há como negar que a Xiaomi é muito inteligente.

AndroidPIT Xiaomi Mi MIX 2S 5143

E aí vem a tabela de preços de smartphones acessíveis para todos os tipos de bolsos. E não só são baratos, como também são bons.

Acima de 200 dólares, você encontrará dispositivos de médio porte. Dispositivos como o XIaomi Mi A2 (e sua versão Lite) estão disponíveis por 275 dólares com câmera dupla (20 + 12 MP) e Snapdragon 660. Se você procura um aparelho de ponta, o Mi MIX 2 e MIX 2S detinham essa coroa até recentemente e estão disponíveis por cerca de 450 dólares. Seu desempenho é comparável aos carros-chefe das maiores marcas (tela cheia 18:9 com bordas mínimas, corpo de cerâmica e Snapdragon 845). O Mi 8 é o verdadeiro carro-chefe da Xiaomi e pode fazer quase tudo. Seu preço atual na Amazon é de 455 dólares.

Quem pode igualar isso? A Xiaomi olhou para todos os tipos de público e conseguiu se adaptar a todos os tipos de necessidades. Gastar 800 dólares ou mais em um smartphone? Isso nem sempre é uma boa ideia, mesmo se você for um usuário bastante exigente. A Xiaomi encontrou seu nicho no consumidor médio. E está claramente dando certo para eles.

Xiaomi não vive inteiramente de “cópias”

Uma das chaves do sucesso da marca chinesa tem sido saber aproveitar a atração que as grandes marcas trazem e usá-la em benefício próprio. O segredo? Pegue o melhor, “copie” e depois venda barato. Não podemos negar as evidências. Muitos dos smartphones da Xiaomi parecem reflexos do iPhone da Apple. E o Mi 8, seu novo carro-chefe? Ele vem com o notch, é elegante, tem uma moldura fina, uma tela quase sem moldura e uma câmera dupla na parte traseira… O novo laptop Mi Air é outro exemplo. E não, o nome não é a única coisa que me lembra os produtos da Apple. Até a estratégia de marketing é semelhante à da Apple. O estilo das fotos, as cores, o minimalismo, etc…

E eu me pergunto, você percebe dicas da Apple porque gosta do design e sabe que é sinônimo de sucesso? Ou talvez seja a ousadia que você vê: a Xiaomi quer mostrar ao mundo que pode fazer produtos bons, bonitos e baratos. Talvez seja um pouco dos dois. Seja o que for, os clones chineses já estão invadindo…

AndroidPIT Xiaomi Mi 8 8292

A conquista do ocidente pela Xiaomi

A marca chinesa escolheu a Espanha como seu primeiro ponto de conquista europeia, e não poderia ter feito melhor. Em apenas 6 meses, a Xiaomi ficou em terceiro lugar no mercado espanhol de smartphones, ultrapassando a própria Apple, e agora só fica atrás da Samsung e Huawei. Até o final do ano, a marca planeja ter 12 lojas na Espanha.

AndroidPIT Xiaomi Shop Barcelona 6471

E depois da Espanha, a Xiaomi planeja expandir para o resto do mercado europeu. A marca tem uma loja na Itália e outra na França, países com hábitos de consumo confiáveis ​​e bastante poder aquisitivo. Mas e o resto da Europa e os EUA?

A Xiaomi ainda não divulgou nenhuma informação, mas insiste que a marca quer se abrir para mais mercados europeus. Eles vão nos surpreender até o final do ano? A Samsung e outros seguram melhor seus cavalos, porque a Xiaomi também planeja chegar aos EUA no próximo ano. Parece que a empresa está negociando com outras parcerias para comercializar seus produtos lá. Então cuidado!

Nem tudo o que reluz é ouro….

Embora todo esse crescimento fale por si, também foram relatados grandes números de perdas (que a empresa não esconde). Em 2017, a Xiaomi registrou perdas de 43,889 bilhões de yuans (6,351 bilhões de dólares), apesar das vendas terem aumentado 63,5% em relação ao ano anterior e um lucro operacional de 1,8 bilhão de dólares.

O atendimento ao cliente também foi um aspecto negativo, ou pelo menos foi relatado como tal em vários sites. Muitos usuários reclamam que os serviços deixam muito a desejar. Além disso, se você comprar os dispositivos na web, todas as instruções estarão em chinês intrigante.

No entanto, sem dúvida, o maior problema da fabricante chinesa é a certificação para seus requisitos. Isso ocorre porque os requisitos na Ásia são muito diferentes dos dos EUA ou da Europa. Se a Xiaomi adaptasse seus padrões aos mercados ocidentais, os preços também aumentariam inevitavelmente, o que seria um revés para a marca em termos de atrair novos clientes, especialmente aqueles que procuram comprar carros-chefe. Mas se eles conseguiram fazer funcionar até agora, por que não continuam fazendo o que estão fazendo? Vamos ter que esperar e ver o que acontece. Nem todo mundo (mais como quase ninguém) confia em marcas que não conhece.

E agora?

Num ano em que a líder de mercado não atingiu as vendas esperadas com o Samsung Galaxy S9 e S9 Plus, em que o iPhone X da Apple e o P20 Pro da Huawei estiveram na moda mas não conseguiram revolucionar o mercado, a Xiaomi tem o seu lugar e continua crescendo, especialmente se decidir dar um grande salto e aumentar sua presença em mais países.

E se isso não bastasse, a Xiaomi também atua como um guarda-chuva para outras marcas. Todos nós ficamos surpresos com as novidades do POCO da Xiaomi. Qual é o objetivo desta submarca? Obtenha a maior participação de mercado com o Pocophone F1, que eles vendem como “velocidade real” e está se afastando dos altos preços dos dispositivos. Essa é uma declaração bastante intencional. Agora eles estão seguindo o OnePlus (lembre-se da “velocidade que você precisa” do OnePlus 6?) Eles são absolutamente sem vergonha!

Este é apenas um dos muitos ramos da Xiaomi: Ninebot (comprado na Segway em 2015), Yi (câmeras de vigilância), Yeelight (tudo a ver com luzes) e a série Mi (todo tipo de acessórios e dispositivos inteligentes) são apenas alguns dos marcas que fazem parte da Xiaomi. E isso parece ser apenas o começo… estamos falando de um gigante do nível amazônico? Qual é o próximo?

O que você acha da estratégia da Xiaomi? Você usa algum aparelho da marca?