Xiaomi muda estratégia no Brasil em meio a desafios de mercado

Xiaomi muda estratégia no Brasil em meio a desafios de mercado

Nota: O seguinte artigo irá ajudá-lo com: Xiaomi muda estratégia no Brasil em meio a desafios de mercado

Chegada da fanfarra no Brasil

O anúncio foi um alvoroço na época. A Xiaomi, que foi a quinta maior fabricante de telefones no ano passado, desembarcou oficialmente no Brasil em julho de 2015. “O Brasil é nossa porta de entrada para a América Latina, mas não temos planos de expansão para outros países”, disse Barra à AFP.

Ficou claro que o objetivo naquela época era lançar em um mercado de smartphones em expansão, onde as vendas aumentariam mais de 50% a cada ano. Mas hoje está claro que esse paraíso não foi encontrado.

Desde o anúncio em 2015, dois smartphones foram distribuídos oficialmente no Brasil: o Redmi 2 e o Redmi 2 Pro. Houve sucesso, mas a concorrência, inclusive da Motorola, foi dura. Agora, apenas um ano após sua chegada, a Xiaomi decidiu revisar seus planos para o Brasil. A empresa não lançará novos smartphones por enquanto e, em vez disso, realocará suas equipes de volta à China.

Apenas um ano após sua chegada, a Xiaomi decidiu revisar seus planos para o Brasil

“Por causa da constante evolução das regras de produção e tributação para vendas online no Brasil, decidimos não sediar lançamentos de novos produtos no país no curto prazo. Conhecemos as expectativas dos fãs sobre os novos produtos, mas decidimos que , dada a situação atual, foi a melhor decisão”, disse Barra.

Por que uma mudança de estratégia?

As razões para esta decisão são muitas. Além de um sistema de subsídios e decisões judiciais agora menos favoráveis ​​à empresa, a Xiaomi também enfrentou o problema de vender seus telefones exclusivamente online. No entanto, nem todos os consumidores estão prontos para comprar telefones online ainda.

O resultado é que a Xiaomi não venderá mais smartphones por meio de seu portal Mi.com, mas sim lidará exclusivamente com parceiros de comércio eletrônico. “Os produtos estarão disponíveis nos stories da Vivo e Submarino, nossos parceiros de e-commerce, Americanas.com, Shoptime, Casas Bahia, extra, Pontofrio, Walmart.com e Ricardo Eletro Webfones”, disse Barra.

O site Mi.com agora se concentrará em informações sobre produtos e empresas e suporte ao cliente.

redmiproteaserúltimo

Outra explicação para esse revés é que a empresa também subestimou a concorrência no mercado brasileiro. A Motorola, por exemplo, reina suprema no Brasil, onde o Moto G é um dos smartphones mais vendidos. A Samsung, a número um do mundo, também é dominante.

Qual é a nova estratégia para a Xiaomi?

A Xiaomi não está saindo oficialmente do Brasil, mas é um revés histórico para uma marca conhecida por sua ascensão meteórica. “Esta reestruturação é feita para responder da melhor forma possível às nossas operações internacionais e garantir a expansão para novos mercados”, acrescentou o Sr. Barra.

É um revés histórico para uma marca conhecida por sua ascensão meteórica

Além de uma mudança em seu modelo de vendas, Barra confirmou que a estrutura de pessoal da empresa passaria por mudanças. Com efeito, os departamentos de marketing e redes sociais seriam transferidos para a sede de Pequim, onde continuariam a trabalhar para o Brasil e a América do Norte: “Em breve essas pessoas irão para Pequim, onde se juntarão à nossa equipe de marketing global. para cuidar de nossas ações de marketing no Brasil e também contribuir com nossos planos para a América do Norte. Com uma equipe lá, o Brasil ganha mais relevância.”

xiaomi mi 53

Por fim, é a produção de smartphones em nível local que foi completamente revisada. “Vamos tomar decisões sobre a importação ou fabricação de produtos locais disponíveis no Brasil de acordo com cada produto. Eles só serão produzidos no Brasil se for mais vantajoso do que importar”, disse Barra.

Xiaomi não está saindo do Brasil: está se preparando para outros mercados

Fundada em 2011, a empresa tem encontrado até agora grande sucesso. Esta é a primeira vez que a Xiaomi perde de alguma forma. No entanto, a empresa fez questão de nos informar que não havia saído formalmente do Brasil e também não se arrependeu da escolha.

hub xiaomi brasil

Quando perguntado se a empresa chinesa se arrependeu de ter investido no Brasil, Barra disse: “De modo algum. A operação brasileira é bem sucedida e atingiu os objetivos traçados até agora”, antes de acrescentar, “da nossa parte, essas mudanças são muito positivas. garantir que o negócio cresça de forma organizada e agora vamos nos concentrar em transações maiores que estamos nos preparando para fazer em diferentes mercados.”

Esta última frase será mais lembrada. Pois se a lua de mel entre o Brasil e a Xiaomi não durar muito, a empresa também não esquecerá os planos de expansão em outros lugares. Os Estados Unidos provavelmente estarão entre os primeiros locais, mas a Europa não deve necessariamente ser esquecida pela Xiaomi.

Você espera ver a Xiaomi oficialmente nos Estados Unidos? Conte-nos nos comentários.